"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Rejeitando a vida

Sangue, não!


Ecoou o gritou da senhora ao saber que seu marido necessitava urgentemente de transfusão de sangue. Esta cena assisti em programa que apresenta fatos reais passados em um plantão de emergência médica. Tratava-se de um casal de idosos que, supostamente, se envolvera em grave acidente de trânsito. O marido se encontrava inconsciente, e perdera muito sangue. Sua esposa, mesmo machucada, repetia, Sangue, não! Uma médica os identificou: Testemunhas de Jeová - conhecidos pela não aceitação de transfusão de sangue entre humanos.

O ABSURDO É O FUNDAMENTO


Há algo de peculiar entre esse episódio e o momento que vivemos. Podemos afirmar que em nenhuma religião cristã, tampouco no judaísmo acredita-se nisto. Tal conduta - não transfusão de sangue entre seres humanos - é destituída de qualquer orientação bíblica, e em muito fere a racionalidade humana. Qualquer pessoa que tenha acesso aos textos sagrados, dos quais é retirado este falso ensino, observará que não provém de análise adequada. De mesma forma, ocorre ao passearmos sobre as falsas verdades que embalam os devaneios da religião que vemos diante de nossos olhos em canais de TV, em cultos embalados, na Marcha para Jesus e nas mais variadas estratégias para angariar recursos em nome de deus.

GUIADOS PELO PRÓPRIO CORAÇÃO


Como, pois, então surgem tais práticas? A resposta é simples: Pela disposição do homem em rejeitar as verdades históricas, e sair em busca do que seu próprio coração deseja. É a ânsia em produzir novidades. É o espírito da modernidade, quebrar paradigmas, buscar o novo. É a resposta aos anseios "religiosos" dos homens que querem um outro deus. 


A MORTE DA VERDADE


Na profusão de verdades descobertas, nada sobrou do Cristianismo bíblico. O homem religioso deste tempo foi contemplado com altares e cultos para sua realização pessoal. A todo custo e a todo momento são criados artifícios para satisfação de uma clientela àvida por realização e conquistas. Tudo se faz novo, e pelas novidades, decretou-se a morte da verdade histórica. E o cristianismo bíblico, escorraçado nos púlpitos, fugiu , rastejando pelos becos, sem verdade e sem consistência.


O RESGATE DA MORTE


Trouxeram de volta a morte, proclamam-na a pleno pulmões. Todas as hostes satânicas sobem nos púlpitos, entoam louvores e em gargalhadas apontam para o novo tempo. É uma grande festa. Com salões repletos, a apostasia comemora radiante. Todos os poderes, afirmam, estão à disposição dos homens. Os católicos com a transubstanciação, afimam reproduzir e comer o corpo de Cristo; os espíritas trazem do além vozes, na tentativa de consolar mortos; os evangélicos, em suas línguas estranhas, convidam a todos para comer e beber o melhor da terra, é o cumprimento das promessas de deus.  E o séquito, em multidão, lentamente segue, tomando conta do largo caminho.

A CERTEZA DA MORTE 
A convicção daquela senhora resplandece na face cruel da apostasia. Observamos, boquiabertos, os argumentos em defesa de suas práticas. A soberba e a ignorância revestidas de autoridade são a sua razão de existir. Respiram os últimos momentos de suas vidas, e, assim mesmo, recusam-se em aceitar sangue. Em nome de Jesus, acreditam legitimar, por contra própria, o que Deus condena. O tempo escoa, e cegos não percebem que a verdade os condena.  

UM GRITO PARA MORTE
O grito daquela senhora em defesa de sua fé, foi sua manifestação final. Em sua convicção condenou-se à morte, levando consigo seu esposo. Nada aprendeu do verdadeiro caráter de Deus, criou seu próprio amor. Em sua convicção, gritou contra a graça , contra a misericórdia, gritou contra a verdadeira  vida.


O mesmo grito ecoa das multidões: Sangue, não! Sangue, não! Rejeitam o amor, rejeitam a esperança, a graça e a misericórdia de Deus. Convictos, não se arrependem, rastejam enganados sobre o pó da terra.


Gritam contra Cristo, contra a cruz. Gritam contra o convite para o descanso de suas almas. 

Esta geração perdida precisa clamar: Sangue, sim!  Sangue, sim!
Que clamem: Sangue, sim!

e terão seus pecados perdoados.




Que Deus seja louvado.

A Ele honra, gloria, poder de eternidade a eternidade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.