"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

sábado, 22 de maio de 2010

Osso dos meus ossos, e carne da minha carne



Sobre este tema poderá ler: 

1. A perda do conceito e valor do amor: 
http://atravesdasescrituras.blogspot.com.br/2014/08/historia-do-amor-parte-i.html

2. A única forma de resgatar o amor:
http://atravesdasescrituras.blogspot.com.br/2014/08/ossos-dos-meus-ossos-ou-historia-do.html

3. A primeira experiência do amor: 
http://atravesdasescrituras.blogspot.com.br/2014/08/ossos-dos-meus-ossos-ou-historia-do_12.html

Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. Gn 2:23

Sempre seremos desafiados ao tentar explicar o significado real das palavras quando estas emergem das Escrituras. Conceitos e palavras saídas dos lábios do Senhor exigem atenção, devoção e temor para levarmos todo seu desígnio aos homens. Ao falarmos do Santo, estamos afirmando o que o Ele disse, o que Ele pensa e como Ele é e fará; grande é o desafio. Um desvio nesse sentido compromete a tese, embota a argumentação e passamos a falar de nossa parte e não movidos por Ele.



Quanto mais no ambiente que estamos inseridos, nesse há desvios intencionais, percebe-se a necessidade da idéia paralela, quer de intelectuais com suas elucubrações sem fim, quer de pentecostais com seu pragmatismo insano. Emergem a cada instante novas formulações e experiências como normas vindas do Senhor. Neste modismo apóstata se encontram os conceitos que envolvem e orientam a família cristã. Não julguemos que haja supervalorização, mas realmente é um desafio produzir frutos dignos de arrependimento nesta questão. Mais que em qualquer outra área, os conceitos e princípios seculares tomaram as mentes religiosas dos salvos, permitindo o convívio com o promíscuo sem constrangimentos. Deveríamos, entrincheirados, conferir coisas espirituais com coisas espirituais, para assim, repudiar o liberalismo sutil que nos afaga e o legalismo soberbo que nos engana.



A psicologia secular passou a definir a conduta e valores e, muita vez, sustenta a “esperança” das famílias cristãs.



O que aconteceu? Apenas retornando ao ponto inicial onde tudo começou, passeando pelas campinas do Éden poderemos refrescar nossas mentes para contemplar a beleza e propósito de Deus para nossas famílias.



Estamos em Gn 2.18, frente à solidão de Adão, e Deus, compadecido, diz que não era boa. A solução divina permite ao homem uma nova dimensão, aprender a compartilhar em amor. Feito monumental do Criador coloca ao lado do solitário Adão sua auxiliadora bendita, Eva. Nosso pai compreende o que o Senhor fizera, sabe-se homem, e contempla sua mulher, obra das mãos do Altíssimo. Nela fixou os olhos e produziu o mais belo verso jamais feito, que traduz mais perfeitamente a palavra amor: ”Osso de meus ossos, carne de minha carne”. Estava, assim, amor introduzido na esfera humana. Sem a mulher não haveria o amor que conhecemos. Bendito seja Nosso Deus, pelas nossas esposas, filhos e pelo amor que temos. A idéia de ossos de meus ossos traduz a unidade de duas pessoas, são os primeiros passos em direção a constituição do núcleo familiar.



Deus em sua infinita sabedoria construiu assim o cenário para sua revelação. A revelação plena do Todo-Poderoso, para quem todas as coisas são. Eis o ponto central da odisséia universal: Deus revelando-se às suas criaturas santas. Pois, completa: “estavam nus e não se envergonhavam”. Um estado incompreensível, santidade a ser provada. Ambos em santidade gozavam do privilégio indescritível da comunhão com o SENHOR.



Deus os fez homem e mulher (Heterossexual); e um Adão para uma Eva (Monogâmico). O casamento em santidade e com o Santo Triuno por testemunha, eis o casamento no Senhor.



Contrário às expectativas de qualquer leitor, as trilhas santas do Jardim foram maculadas por aquele que experimentou toda a graça e bondade de Deus. Adão transgrediu, caiu em maldição, separou-se do Autor da vida. Aquele que fora objeto do amor de Deus, que experimentou o amor a Eva sucumbiu ao ter seu caráter testado. A influência externa da serpente, e a influência interna da vontade (ainda livre): boa para se comer; agradável aos olhos; e desejável para dar entendimento, levaram-no a transgressão.



Nossos pais experimentaram a mais profunda alteração que qualquer homem jamais foi submetido: privados do Senhor, mortais e errantes estavam inseridos na dura realidade imposta pela transgressão. Incapazes de reverter a morte que se lhes abateu, perceberam-se em toda extensão que a sentença poderia lhes lançar: “Certamente morrerão”. Perdeu-se o casamento no Senhor.



Mais uma vez objetos da bondade de Deus ouviram a promessa: “a redenção na Semente da mulher”. Iniciaram a trilha do pecado e da morte. Todos que saíram de Eva já não conheciam o Senhor, já não sabiam do amor, já não tinham o dispor que tiveram seus pais. Amantes do pecado, reféns da morte, inimigos de Deus rumavam pelas pradarias áridas de uma vida sem sentido. À noite em contos ao redor da fogueira ouviam da luz, da esperança, da vida perdida no Jardim de Deus.



Como resgatar a família que vivera no Éden? Apenas quando Deus lhes fosse favorável e vissem Aquele que deveria vir. A família santa criada por Deus que Adão entregou à morte seria resgatada para vida em Cristo Jesus. Nele aprenderiam de novo o amor, aprenderiam de novo o louvor, aprenderiam quem é o Senhor.



Voltariam a passear nas veredas santas do Senhor.



A luz da esperança perpetuada em redor daquelas fogueiras acendeu em nossos corações, podemos contar a todos que em Cristo aprendemos o amor, reconstruímos os nossos santos lares para vinda e revelação do Altíssimo.



Recitamos o amor: ”Osso de meus ossos, carne de minha carne”.

Ao Senhor honra, gloria e louvor de eternidade a eternidade.

7 comentários:

  1. Prezado irmão Paulo,
    Graça e Paz.

    Lindo texto. Gostei muito da abordagem de um assunto tão pregado, principalmente nos casamentos.

    Aliás, no próximo mês, meu primogênito estará se casando e eu estarei trazendo a Palavra aos noivos e à igreja presente. Quanta responsabilidade!

    Pergunto se, posso extrair uma ou outra expressão de seu texto?

    Quando puder, entre no SOBERANA GRAÇA e veja as mudanças no layout. Ainda faltam algumas coisas, por isso, aceito sugestões.

    Um forte abraço,
    Pr. Menga
    http://smenga.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Pastor Menga,

    é uma honra contribuir para o Reino do nosso Deus.
    O Amado tem TODA a liberdade para utilizar qualquer texto meu.

    Parabéns pelo casamento do Filho, a despeito da responsabilidade, como Deus nos inclui em coisas tão maravilhosas.

    Que o Santo seja engrandecido na celebração e na vida da família do Amado.

    Com admiração,

    Em Cristo.

    ResponderExcluir
  3. a teologia pastoral sempre é bem vinda,mas gostaria de lê comentários seus a respeito da veloz época em que vivemos, em que tudo passa tão rapido e não paramos para ver a realidade da vida.
    um abraço
    pr.adrião

    ResponderExcluir
  4. passei aqui só para dar um oi!

    ResponderExcluir
  5. Oh! Quanto privilégio eu tenho. Servir a um Deus Eterno e Santo, que me salvou e deixou Palavras de consolo e sabedoria. Mas não somente isso. Deu-me a graça de casar com um irmão como você, Paulo, que conhece a Deus de uma maneira profunda e reverente e, principalmente, vive no dia a dia tudo o que crê, ensina e prega. Ser “osso dos seus ossos e carne de sua carne” é a mais alta honra que eu poderia ter nesta vida. Que Deus continue abençoando você, a nós, a nossa família. Sua esposa Glória.

    ResponderExcluir
  6. É muito prazeroso para mim ler estes teus comentários, lembro-me de meus conflitos internos ( não os tenho mais ) quando você sendo meu irmão e amigo confidente, como ferramenta do ETERNO, ajudou-me a livrar-me deles, Deus me abençoou com uma maravilhosa esposa e filhos. Minha oração ao SANTO é que ELE continue te abençoando pois tenho sido testemunha de teu desenvolvimento tanto espiritual como intelectual. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amado Irmão.

      Senhor faz abundantemente mais do que pedimos ou pensamos.
      A Ele glória honra pelos seculos.

      Excluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.