"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

quarta-feira, 21 de julho de 2010

A quem procurais?


Há expectativa nos céus, todas as criaturas, em espanto acompanham o Senhor do Universo, que agora na carne mortal, segue em sua eternidade, em seus passos, caminha sobre a terra, permanecendo em tudo, sem se confundir com o tudo. Caminha, antecipa-se ao anseio das trevas, vai em direção aqueles homens e pergunta: "A quem procurais?"

Em Judas há estupor, ambição e medo, com passos contados desde a eternidade, alcança a face jamais pensada de Iavé; face a face, foi possível perceber a respiração do autor da vida, criador do ar, que dele não necessita. Imanência e transcendência em absurdo de lógica e sabedoria, o beijo eterno.



Além das algemas do corpo, agora os grilhões dos homens, prenderam o Príncipe do Exército do Senhor, de longe e eternamente Judas contempla seu o horror eterno.

Próximo estava da humilhação proposta, longe da glória eterna com o Pai, mesmo permanecendo eternamente glorioso nos céus. A celebração em espinhos, em zombarias, a cruz, os cravos, a dor lacerante, romperam-se os limites do corpo que Ele criou. O grito, o mistério do abandono... "Consumado está". As trevas não se contiveram e vieram assistir o espetáculo de vergonha e dor. O autor da vida, o imortal e eterno, ofertou-se à morte; por fim a escuridão, o túmulo, a morte, o espanto de todas as criaturas celestes, e o prazer do Pai, que sempiterno, entende a clausura do tempo.



Há expectativa nos céus, todas as criaturas, procuram o Senhor do Universo. Nada poderia detê-Lo; todas as luzes do universo não se contiveram, vieram emoldurar o espetáculo de graça, misericórdia e amor. "A quem procurais?" Ele ressuscitou.

A Ele honra, glória e louvor de eternidade a eternidade

4 comentários:

  1. Paulo,

    alguns de seus textos me deixam sem palavras. É que são belos esteticamente e profundos teologicamente, pois refletem a verdade, a palavra de Deus, com o talento que apenas o Senhor poderia dar-lhe.

    Como gosto de poesia, você une o útil ao agradável, sem que eu saiba se mais útil ou agradável, ou ambos na mesma intensidade.

    E assim como os anjos, nós também ficamos atônitos, estupefatos, diante da maravilhosa, eficaz e graciosa obra de Cristo realizada para a Sua glória, e a nossa também; pois fomos glorificados enquanto Ele era humilhado, para sermos humildes, no que Ele é glorificado.

    Forte abraço!

    Cristo o abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Amado Isah,

    temos sido engrandecidos pelo Senhor.
    É Ele quem produz sentido e razão em nossa infinitude.
    Grande é o Senhor.

    ResponderExcluir
  3. Paulo,

    Texto bonito, tocante e profundo. Eu não consigo deixar de me emocionar quando leio e reflito sobre o sacrifício de Cristo na cruz. Basta saber que somente encontramos a salvação, com a qual fomos agraciados pelo Pai, através do Cristo crucificado e ressurreto.

    O seu lindo texto tem a qualidade de nos fazer vivenciar esse momento crucial e único da humanidade com um misto de beleza, tristeza, dor e alegria. Sentimentos contraditórios mesmo.

    Continue escrevendo e nos proporcionando leituras como esta, para honra e glória daquEle que nos salvou!

    Grande abraço meu irmão!

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  4. Amado Irmão,

    é uma honra a sua visita. O mesmo sentimento experimento na leitura dos seus textos.

    Em Cristo.

    ResponderExcluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.