"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

domingo, 28 de novembro de 2010

Que vida é esta que temos?


Igreja Batista Regular Renascer
Manaus, 28,novembro,2010




Havia mulheres que seguiam a Jesus, e após vê-lo no túmulo, Lucas registra (23.56): “Então voltaram e prepararam especiarias e unguentos. E no sábado repousaram, conforme o mandamento.

Restou-lhes o sábado para descansar e no primeiro dia retornar ao túmulo para completar a liturgia da morte e dor.
Nada mais restava àqueles que acompanharam o Senhor, aqueles que vieram de longe ouvi-lo, o silêncio preenchia o ar.
Vidas lançadas fora, desperdiçadas, frustraram-se os planos, sucumbiu a esperança... a morte, mais uma vez, triunfara.

Não há mais um grupo de discípulos em torno do seu Mestre; não mais se ouvirão os discursos celestes de sabedoria e verdade.  Apenas a morbidez de um túmulo e um corpo a ser preparado para eternidade.

Os olhos marejados de lágrimas embotam a visão que caminha penosamente pela solidão escura da madrugada, segue em direção aos portais da morte.

Aqueles passos (e os nossos também) são surpreendidos pelo túmulo aberto, vazio e pelo anúncio angelical: “Por que buscais entre os mortos aquele que vive?” (Lc 24.5). 

Como compreender: Não há ninguém no túmulo!  O que fizeram com o meu Senhor? 

Entre o horror da morte e o absurdo da esperança inusitada anunciou-se a vida. 
A luz celeste alumia o outeiro da morte, trazendo-lhe vida. 
A vida sobrepujou a morte!

É o ponto central da história humana, começara ali a vida. Quem poderia nos explicar? Quem poderia nos dizer o que é isso? De onde poderiam vir palavras para nos desvendar o mistério da morte que sucumbiu, ou mesmo da vida infinita que surgiu? 

As Sagradas Letras nos oferece um sumário de encanto, de espanto e vida. A vida que se impôs sobrenaturalmente à morte que existia. O ânimo de uma vida que expirava foi vencido pelo Espírito da vida que não se esvai. 

São manifestações de poder e graça que chegam desnudando a morte, expondo-a a ignomínia. 

Leiamos Romanos cap. 6, e deixemos que o anúncio dos céus, o anúncio de Deus, aprofunde-se em nossos corações. Através da palavra do Senhor aprenderemos a vida que recebemos, que projeta-se de tão profundo mistério que a razão caminha lenta a procura de vigor celeste para explicá-la.

E o regozijo do meu coração irrompe: Meu Senhor já não morre mais. 
“sabendo que, tendo Cristo ressurgido dentre os mortos, já não morre mais; a morte não mais tem domínio sobre ele.” (Rm 6:9)
E as Santas Letras avisa-nos foi nos dado vida, quando estávamos mortos (Ef 2.1-2). 

E mais: 

Se fomos unidos a Ele na morte, também o seremos na ressurreição (Rm 6.6). 

Que vida nos foi dada em Cristo? Que vida é esta que emergiu para afrontar a morte?

1.    A vida que nos matou (6.2); “para ele morremos”
A vida que recebemos matou a morte que entranhava o mais profundo do nosso ser. Que conspirava contra a vida, contra o Santo de Deus. Temamos aqueles que lutam para manterem-se vivos por suas religiões, por seus votos, por seu sucesso.  

2.    A vida que nos transformou (6.4); “novidade de vida”
A vida que recebemos transportou-nos das trevas para o reino de luz de Seu Filho. As coisas velhas se passaram, eis que TUDO se fez novo. Temamos aos que carregam continuamente seu passado, que falam a respeito do céu sem desejá-lo.

3.    A vida que não morre mais (6.5) “Unidos com ele, na morte e na ressurreição”
A vida que recebemos não desvanece, mesmo que o homem exterior esteja à morte, o homem interior se renova a cada manhã. Sustentados pela graça e pela misericórdia do Nosso Deus. Temamos aos vivem na força do próprio mérito e sabedoria; que Cristo é apenas um suporte para atender suas ambições.

4.    A vida que não se submete ao pecado; (6.6) “não sirvamos ao pecado”
A vida que recebemos é plena de liberdade, somos livres para sermos santos, para atender Àquele que nos arregimentou. A liberdade para praticar a justiça de Deus. Temamos àqueles que compartilham com o mundo e sonham com o mundo e tripudiam dos céus, e aqui firmaram suas tendas.

Esta é vida que flui dos céus preenchendo nossas almas, animando nossos corações e iluminando a nossa esperança.
A vida que nos faz contemplar o céu de onde virá meu Senhor, que nos sustenta, ainda que tenhamos de caminhar pelo vale da sombra da morte.

Brademos:  
Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? (1Co 15:55)

Louvemos ao Senhor, pois a nossa vida é a vida dEle. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.