"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

sábado, 29 de outubro de 2011

Ananias e Safira mesmo mortos ainda falam.




Continuamos no Livro de Atos e caminhamos através dos caps. 1, 2 e 3.  Neles foram descritos os primeiros momentos de uma nova história: Deus ressurreto em convivência com homens mortais, o verbo eterno revestido da carne eterna. Logo em seguida sua assunção até locais que não sabemos onde realmente são. O inédito e impensável registrado no primevo momento da Igreja do Senhor, tudo descrito em torno de um monte nos arredores de Jerusalém. 


O Eterno e transcendente pisando o chão e depois chegando às nuvens.

Depois, os capítulos seguintes descrevem o caminhar de homens comuns que viram, ouviram e apalparam o Verbo eterno que se fez carne e esteve entre nós. Agora impelidos pelo Espírito de Deus recriariam um novo enredo para história da humanidade: a proclamação da vida que há em Cristo.

Deus, por meio da proclamação da vida, infunde em multidões a vida de Cristo, vidas  mortais, revestidas pela imortalidade. 
A salvação plena chega ao mundo, a esperança eclode nos corações contritos!


Passamos por esses registros e nos deparamos com a oposição do mundo  aos novos ventos trazidos pelo próprio Deus. O cap. 4.1-4 lemos:

Enquanto eles estavam falando ao povo, sobrevieram-lhes os sacerdotes, o capitão do templo e os saduceus, doendo-se muito de que eles ensinassem o povo, e anunciassem em Jesus a ressurreição dentre os mortos, deitaram mão neles, e os encerraram na prisão até o dia seguinte; pois era já tarde. Muitos, porém, dos que ouviram a palavra, creram, e se elevou o número dos homens a quase cinco mil. (At 4:1-4)

Percebemos grupos bastante distintos no contexto: Os pregadores, os opositores, Deus e os que creram.
Essa composição atravessou os séculos, e hoje é padrão das organizações cristãs. 


Estamos cercados por opositores, experimentamos o poder de Deus, convivemos com crentes e com pregadores, apenas os frutos são os indicadores que qualificam os grupos. 


Perdemos em muito se não iniciamos a leitura do Cap. 5 a partir de 4.32. Ao retrocedermos  nossa leitura sabemos que os que creram era um só coração; os apóstolos pregavam as boas novas, repartiam seus bens na medida da necessidade dos irmãos.

É no cap. 4 que Lucas nos apresenta José: “a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé “em judeu convertido, vendeu sua propriedade e entregou o valor aos apóstolos.
E continua, já no cap. 5: entretanto, “certo homem, chamado Ananias com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade”.

É significativo o paralelismo feito por Lucas entre os dois personagens: José e Ananias.
A José é dedicado um texto sumário, mas ao introduzir Ananias, diz: Mas ou entretanto; para nos fazer entender que haverá contraste entre um e outro: joio em meio ao trigo.  

Seriam Ananias e Safira crentes? Decerto que não. Pois, os frutos manifestados pelo casal delineiam grupos que se encontram enraizados em nosso meio, mas não são dos nossos. Vejamos em que Ananias e Safira podem nos ajudar.

O mal congregacional sempre envolve mais de uma pessoa.
Nos versos 1 e 2, percebemos o acordo para o mal, pois o casal dissimuladamente resolve encobrir o valor real vendido.

Vida sem vida, aparência religiosa
E ainda, vivem vidas de aparência religiosa. Pessoas que não discernem a graça de Deus e a gratidão devida. Pois, são incapazes de saber que primariamente relacionam-se com Deus, e não com homens simplesmente.

Mensageiros de satanás e a vantagem pessoal
No v. 3, encontramos a orientação de satanás para construção de seus planos.
Em busca de vantagem pessoal as pessoas seguem as ordens das trevas, satanás.

Como tratá-los
É obrigação da Igreja eliminá-los (não a semelhança do texto) para causar temor aos ouvintes e a Igreja (v. 11).

Como pois, dizer: 
“Não poderemos deixar de falar das cousas que vimos e ouvimos”.


Ananias e Safira mesmo mortos ainda falam no meio de nós.

Um comentário:

  1. Ola irmão queria elogia-lo pelo belo blog e fazer um convite para ser seguidor lá no nosso blog e deixe um comentário se for possível, sempre estarei aqui comentando a suas postagens e espero o mesmo lá .Fazendo irei retribui-lo do mesmo modo.
    Deixe o seu link no comentário.

    Espero a tua visita .

    Graça e paz
    Filipe Ivo

    www.chamadosdedeus.com/blog

    ResponderExcluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.