"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Deus e os meus pecados



O prazer da meditação
Uma das áreas mais compensadoras da academia cristã pertence às doutrinas da teologia sistemática, acredito eu. É um mundo em que nos deparamos com as grandezas de Deus e nos quedamos embevecidos.

Após leitura das Escrituras, de grandes doutrinadores, teólogos, filósofos cristãos costumeiramente me deparo com a impossibilidade de estabelecer um arranjo de conhecimento que consiga incluir todo desígnio  de Deus em um sistema fechado. Por isso dou glórias a Deus.

   irrefutável
  As Escrituras oferecem-me uma dimensão impensável: um sistema aberto e contendo verdades  
   inconciliáveis e todas elas inseridas em um grande e perfeito sistema... e todas verdadeiras.
Tomo em particular a condição do homem frente a Deus. O fato desse  ser incapaz de promover sua salvação e ao mesmo tempo ser responsável pelos seus atos rompe com os grilhões do raciocínio natural. Pois, qualquer sistema humano capacidade e responsabilidade se complementam. A ausência de uma aniquila a outra, da mesma forma que a existência desta, traz aquela agregada.


Os riscos 
2. Sabedoria pessoal 
Toda minha vida profissional foi na área de desenvolvimento de sistemas de informação, adestrei minha mente a conciliá-la. Analisar grupo de informações e inseri-las dentro de quatro paredes, e deixar fora o “não verdadeiro” ou “sem relação”. Isso encerra o conceito de sistemas e consequentemente de “verdades”. Obedecendo os limites da razão humana, um sistema não pode conter princípios ou verdades excludentes. 

Deparando-me com as Escrituras, e aplicando princípios naturais de avaliação da verdade, OBRIGATORIAMENTE, NÃO ACEITO a responsabilidade humana a incapacidade humana em um mesmo sistema de verdades. 
Caso ceda à minha conciliação (ou refinamento) conceitual, sou  obrigado a excluir uma das duas verdades: ou fico com a responsabilidade ou com a incapacidade. Ou seja, se responsável, logo é capaz (e dependerá do homem a salvação); se incapaz, Deus não poderá atribuir culpa ao homem. 


Essa "sabedoria pessoal" obriga-me a negligenciar um conjunto de significativo e claro de textos da palavra de Deus que garantem ambas verdades: o homem é incapaz de prover sua salvação, e mesmo assim é responsável diante de Deus. 
Sim, para que garanta minha sabedoria preciso abandonar a palavra de Deus, deixar de ouvi-Lo, sigo meu próprio pensar. Escravizo a verdade aos meus rigores mentais e interesses. 
Rompo com a minha condição de servo, pois não me importa a palavra de meu Senhor!


2. Projeção pessoal 
Assim, muitos tem se apropriado de “verdades bíblicas” negligenciando a Palavra de Deus.
Isso é agravado quando tentamos categorizar todos os eventos percebidos dentro das grandezas de Deus.  Ousamos ser intérpretes do cotidiano como se conhecêssemos a mente de Deus ou  seu conselheiro (Rm 11.35), isso a despeito das admoestações do Senhor.

Somos alertados que Deus nos permite conhecê-Lo, mas não somos capazes de entendê-Lo em toda sua imensidade, nos caminhos que Ele cumprirá seu propósito. Devemos redobrar nossos cuidados ao “escatologizar “ tudo que chega aos nossos olhos.

A sutileza do engano
Enganosamente, pode aparentar sabedoria, espiritualidade, autoridade, entretanto é desautorizado pelas Escrituras - Pois, se alguém pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. (Gl 6:3).

Resultado previsível

1. Ignorar o Deus das Escrituras
Não raro tomo conhecimento que pessoas tentam justificar-se ou a outros, transformando a soberania de Deus em lençol maculado. Evidencia toda a impiedade, sugerindo a participação de Deus em seus pecados.


Esse argumento foi contemplado e refutado pelo Senhor,: “Mas, se pela minha mentira abundou mais a verdade de Deus para sua glória, por que sou eu ainda julgado como pecador? E por que não dizemos: Façamos o mal para que venha o bem? - como alguns caluniosamente afirmam que dizemos; a condenação dos quais é justa. (Rm 3:7-8)

Associar aquilo que Deus condena, o que Deus não deseja para os seus às sua grandezas inefáveis não reflete a mensagem central das Escrituras.  É mais um sofisma para  garantir a liberdade da carne e que Deus sempre será honrado. 

2. Ignorar o pecado que habita em nós 
Apenas a falta de maturidade e humildade e o excesso de mundanismo e destemor ao Senhor pontilham na argumentação. Como diz Paulo: está corrompido o entendimento, separou-se da simplicidade que há em Cristo” (2 Co 11.3).

  Jeremias (Lm 3.20-21) lembrava de seus momentos difíceis e do livramento promovido pelo
  Senhor e isso lhe trazia esperança.


Um alerta final 
1. Somos pecadores (mesmo remidos). Deixe Deus conduzir sua mente
A Bíblia garante que pecamos por estarmos nessa carne mortal e que ela ainda está passiva aos clamores da concupiscência do ser, ter e sentir. 
E que há mistérios em demasia para entendermos o sofrimento do justo.

2. Somos pecadores (mesmo remidos). Deixe Deus conduzir sua vida
Não estamos autorizados a atribuir às grandezas de Deus justificativas ao pecado de quem quer que seja, muito menos dos nossos. Pois assim, estaríamos escarnecendo-O.
Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna. (Gl 6:7-8)

3. Somos pecadores (mesmo remidos). Aprenda quem é Deus
Ele deles nos livrou, livra e livrará, e jamais deles participará. Portanto, precisamos lembrar de nosso Salvador que foi tentado de todas as formas, mas sem pecar.
Portanto, assim como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim também nele andai, arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, abundando em ação de graças. Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; (Cl 2:6-8)

Glória ao Altíssimo, que não é homem para que peque.  

2 comentários:

  1. MUITOS NÃO QUEREM SE RENDER A SIMPLICIDADE DA GRANDEZA DE DEUS, E SABER "QUEM CONHECEU A MENTE DO SENHOR, QUEM FOI SEU CONSELHEIRO..."
    PARECE QUE NÃO QUEREM PERDER EM SUA SABEDORIA HUMANA LIMITADA, E PASSAM A VIVER NO LEGALISMO LIMITANDO O DECRETO DE DEUS A SUA MENTE CARNAL.

    ABRAÇOS

    ResponderExcluir
  2. Pastor,

    essa é a questão: queremos acomodar as grandezas de Deus aos nossos interesses e caráter.

    Encontramos "alguém" para dividir o pecado!

    Paulo

    ResponderExcluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.