"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

É tempo de rever as escolhas - 3




(Parte final do texto: É tempo de rever as escolhas)

Assim, já iniciamos nossa caminhada em santidade.

Sei que a palavra de Deus é loucura para os que se perdem; sei que o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. (1 Co 1.18ss)

Entendo a exortação e a bondade do Senhor ao estender sua misericórdia a Israel “O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não tem conhecimento, o meu povo não entende” (Isaías 1:3). E mais afirma: “Toda a cabeça está enferma e todo o coração fraco”.
Não deis crédito à tua sabedoria forjada na fragilidade da solidão dos teus pensamentos, não penseis que as palavras por serem graciosas e atenderem aos teus anseios tenham importância ou significado eterno.  
Sim, ouça o “vem do Senhor”, pois é assim que a Escrituras Sagradas afirmam quem somos nós, e quem é o Todo-poderoso, o Deus criador, Nosso Senhor... e fala de Seu grande amor por pecadores insensíveis.

Olhemos o dia a dia, nos jornais, nas ruas, em todo local que os olhos penetram, concluimos que os caminhos oferecidos pelo Senhor não são os caminhos desejados pelo homem. O homem, em sua vida mortal, se apraza e deleita em caminhos criados em sua própria mente - delírio. 
E sob esse delírio, são loucas as propostas do Senhor: abster-se da prostituição, não mentir, considerar os outros em prioridade.

Os caminhos do Senhor são para todos a perda dos proazeres da vida. A oferta da verdadeira vida é para o homem a própria morte. Pois digo, salvem-se escolhendo a morte.

Como foi possível para nós, salvos em Cristo, que um dia comemorávamos nossos pecados em brindes de deboche contra o Santo, em crueldade diária enganávamos nossas angústias mais profundas e julgávamo-nos heróis do pecado, sim, como foi possível, prostrarmo-nos aos pés do Todo Misericordioso?

Afirmamos por diversas vezes: “Nunca me lavarás”, mas ouvimos: “Se eu não te lavar, não tens parte comigo”. O Senhor, dos altos céus, importou-se conosco. Advertiu-nos sobre a ira vindoura: “Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus, (Romanos 2:5).
Em nossa mente perpassou o clamor, em ordenança, dos céus: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados” (Atos 3:19).

A libertação das nossas convicções, das nossas frugalidades, das nossas incapacidades. Impressa foi em nossos corações a esperança, não por mãos humanas, não produto de qualquer religião: “e para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura”.
Livres da escravidão do pecado, livres da pena do pecado, como o amado Paulo afirma “Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna” (Rm 6:22).  Mortos para o pecado, mas vivos para o Senhor.
Sim, o Santo deu-nos a liberdade para que caminhássemos por veredas santas, em direção aos céus, nos lábios novos cânticos:

“Prá cidade, prá cidade, com os muros ao redor;
eu andando vou para cidade com os muros ao redor;
lá a harpa de ouro, alegria também, vou cantar aleluia lá”;
Para lá andarei, e ali entoarei...”.

Podemos ler: “Ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus”. (Lv 20:26).
Fomos comprados pelo Senhor para santo sermos.

Lembre-se onde quer que vá, onde quer que esteja terás diante de ti um Deus santo, que exige andar em santidade. E um dia prestarás contas ao Juiz de toda a terra.

E aquele que ouve e continua descansando no engano e na dureza de seu próprio coração, temos a palavra do Senhor, e leiamos com bastante calma para encontrar a eternidade como recompensa.

“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”. (Ap 21:8) 

Para aqueles que, um dia, se prostraram aos pés do Senhor, aqueles que abriram mão de suas sabedorias e constroem suas vidas, mesmo que sejam pó e cinza, vencendo os caprichos letais da carne, reforcemos nossos corações:

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo”. (1Pe 1:3ss)

 Ao Rei eterno imortal, honra, louvor e glória.


Um comentário:

  1. Palavra excelente, irmão Paulo. Que a POTENTE MÃO DO SENHOR ESTEJA CONTIGO !!!

    ResponderExcluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.