"SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo. Espera, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre.(Sl 131)

Visitantes

Posts

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Pe. Fábio e sua mensagem das trevas




"... minha salvação não depende do que as pessoas pensam de mim, mas sim, do que Deus sabe a meu respeito". (Pe. Fábio, religioso católico romano). [paráfrase]

(A análise do texto acima)

Primeiro é preciso considerar uma advertência que o Senhor faz aos servos para atentarem para o engano em forma de sabedoria:

“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” (Cl 2:8)

Tornou-se um padrão religioso nestes últimos dias a criação – adoração - de líderes. Todo arranjo religioso que deseja projeção precisa entronizar um desses. O que é muito interessante é que esses não chegam a tal status pelo conhecimento de Deus, pela vida pessoal ou por qualquer atributo espiritual.  Não. Os critérios ou atributos que os levam a aclamação estão dissociados do ideal cristão. Pelo contrário, muitos são blasfemos, ímpios, mercadores de fé, adúlteros, efeminados. E, em regra, a multidão de seguidores não possui percepção alguma do que realmente é cristianismo, e pior, desprezam todas as advertências contidas na Palavra de Deus. Isto, ao longo da história cristã, tem oferecido o combustível essencial para criação e crescimento das seitas, em pauta o catolicismo romano.

O papismo com sua inextirpável história, com seus pares políticos e sua teologia é a materialização das obras das trevas. E de forma espetacular, durante séculos, expropriou o cristianismo. Apresentando em seu currículo de abominações: a adulteração do Canon Judaico; corrupção de reis, conluio com poderosos; associação ao nazismo – na perseguição genocida de judeus; matança e permissão para matar; condenação sem julgamentos; prática de crimes sexuais - pedofilia e prodígios na mentira, incrivelmente tenta ser um movimento religioso, e pior, muito pior... cristão. É uma folha vasta de dolo, crueldade e conduta obscura em nome de deus – que só eles creem.

Portanto, um texto vindo de lá jamais contribuiria para o engrandecimento do nosso Deus, o Deus das Escrituras. 

Desprovido de verdades divinas, deveria ser deixado de lado, mas merece nossa atenção. Não pela autoria – definitivamente os papistas nada sabem das Escrituras, e sim, pelo dano causado a todos que podem fugir das sendas da insensibilidade para com Cristo e das garras de satanás. Por isto, por amor aos que estão em trevas, abordo este “sumário soteriológico do absurdo” intentado pelo sacerdote, Pe. Fábio.

Aos que o lerem, ira ou curiosidade.  Oro ao Senhor para que seu Santo Espírito desperte a curiosidade necessária e que a ira seja contida. Mesmo sabendo que todo o entusiasmo contrário virá corroído de ressentimentos e sem a citação da palavra de Deus.

A tese do padre, aos que conhecem a salvação que há em Cristo, nada mais é que um retoque artificial em argumento pagão. E mais, reflete a aflição de um coração que desconhece completamente a Deus. Mesmo assim, mantém o passo firme. Esses líderes sem escrúpulos e sem conhecimento não terão limites, em sua avidez, em suas heresias destruidoras. Nada mais perigoso que a astúcia em forma de sabedoria.

Ignoro o propósito envolvido, mas é possível perceber, "sua doação" em benefício das pessoas. A ideia é de engano por meio de sofismas para atingir àqueles que por ele esperam. No entanto, é apenas a retórica da banalidade – usar o nome de Deus em meio a elementos totalmente pagãos. A pretensão é orientar seus seguidores a caminhar em “sua verdade”, unidos a ele. Não há inocência no sacerdote, e Cristo contra ele afirma: "Se um cego guia outro, ambos cairão no abismo".


"... minha salvação não depende do que as pessoas pensam de mim, mas sim, do que Deus sabe a meu respeito".

Sua frase completa é uma declaração de mudança de entendimento a respeito da salvação. Desqualifica o primeiro e afirma o segundo.  Contudo, tanto o primeiro quanto o segundo são absolutamente falaciosos. O que pode parecer sábio ou superior é inócuo e fraudulento, sem escrúpulos conduz seus seguidores a crerem na mentira, afastando-os da verdade de Deus. 

"... minha salvação não depende do que as pessoas pensam de mim.”

É possível, nesta primeira frase, perceber que há um pressuposto que sua ou a salvação depende do conceito social da pessoa.  Como seria oportuno saber como foi construído esse conceito - o conhecimento entre as pessoas levar à salvação!
Quais foram suas bases? Textos? Talvez no Caderno de Teologia do Globo Rural (sic). 
Sem maiores reflexões chega-se a conclusão que sua pressuposição nega o caráter do único Juiz de Deus, conferindo às pessoas tal papel. Uma salvação sem Deus. A salvação social: do homem, pelo homem e para homem. Retrata bem a crença espírita do padre.

A salvação viria da obra de cada um; das virtudes humanas, bondade, abnegação, da esmola e sopas aos pobres, da distribuição de brinquedos natalinos, altruísmo, das lacerações da própria carne etc.

Este discurso é a sutil rejeição das Escrituras, do Deus eterno, de Jesus, do seu sangue, do Santo Espírito. E por este motivo de grande aceitação. Contra tal heresia, a Palavra de Deus diz:

"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé;
e isto não vem de vós, é dom de Deus." (Efésios 2: 8).
E mais:

"Mas se é por graça, já não é pelas obras;
de outra maneira, a graça já não é graça.
Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça;
de outra maneira a obra já não é obra." (Rm 11: 6)

A salvação pertence ao Senhor, é um presente dado gratuitamente ao pecador. Vem de Sua liberdade e amor. Jamais do conhecimento entre criaturas.

E ele passa para sua conclusão:
“mas sim, do que Deus sabe a meu respeito".

Percebe-se, na segunda frase do padre, um "salto de percepção”, ao oferecer sua nova tese de salvação. Nela arrisca-se mais religioso - cita Deus. Que Deus é esse? Só ele sabe. Contudo, o faz à revelia do próprio Deus criando seu próprio deus. 

Apresenta um critério particular de juízo a ser utilizado: "o que Deus sabe a meu respeito". Mesmo que a Palavra de Deus afirme que apenas Deus é Legislador e Juiz, o padre toma o lugar de Deus. E legisla sobre o critério de julgamento de Deus.

O que ele pode afirmar sobre o conhecimento que Deus tem de cada um? Quanta subjetividade há nesse juízo? O que um juízo subjetivo pode trazer, senão aflição e angústia?
A respeito do juízo de Deus, a Escritura afirma contrariamente às especulações do padre. Vejamos:
"Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade,
antes tiveram prazer na iniquidade." (II Ts 2: 12).
E ainda:
"Quem crê nele não é condenado;
mas quem não crê já está condenado,
porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus." (Jo 3: 18)

O critério que Deus determinou para juízo é crer na Verdade, crer em Cristo. E em lugar algum fala que nossa salvação é realizada pela subjetividade do conhecimento que Deus tem de cada um de nós.

Qual o motivo da mentira do padre? Sua cegueira o faz um caçador incansável pela projeção pessoal, riqueza, a adoração dos incautos. Levando milhões de pessoas a se distanciarem totalmente da Verdade. Esta aparência de sabedoria é a mensagem de satanás.
Diz a Palavra:
"Porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas." (Jo 10 : 13)

Além do que, sua frase deixa transparecer seu ideal de poder. Ao determinar como Deus deve agir em seus juízos, subjuga a Deus. Retira de Deus a soberania, a santidade moral. Lançando-O no pó da terra, em grilhões dos devaneios mentais do sacerdote romano. Abriu as portas de sua igreja, assentou Deus em seu confessionário, obrigando-o, o Senhor de toda a terra, cumprir a penitência devida. 

Os mantras satânicos do sacerdote flutuam como se angelicais fossem. A Escritura nega a existência deste deus, nega este critério de juízo.
A salvação não é fundamentada no conhecimento que Deus tem de suas criaturas, mas na fé no Salvador. E garante que a salvação vem unicamente por ouvir Sua Palavra.
"E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz" 
(II Co 11:14).

Que Deus seja louvado.

A Ele honra, louvor e glória de eternidade a eternidade

7 comentários:

  1. O que Deus sabe a respeito do padre Fábio de Melo, dos demais e, principalmente de mim, é que eu mereço ir para o Inferno. E obviamente eles também. Acontece que nós acreditamos na Bíblia... Totalmente! Neste caso eu posso ir para o Céu: Aceitando a Graça de Deus através de Jesus. Senão, posso continuar rumando para o Inferno: "acreditando" até em "Jesus". Mas não segundo o que a Bíblia ensina. Pois Jesus foi enfático a dizer em João 7.28: "aquele que crê em mim conforme as Escrituras do seu seio brotarão rios de água viva". Em João 5.39 Jesus relaciona outra vez a Bíblia como a fonte para conhecê-Lo.E ai daquele que pensar ou ensinar diferente.

    ResponderExcluir
  2. Irmão Horácio,

    Correta sua colocação. A ideia subjetiva da salvação ser resultado do conhecimento de Deus e não objetivamente da fé em Cristo pertence ao Evangelho segundo Satan.
    São sofismas para fazer com que milhões permaneçam nas trevas.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Sim, todo padreco, principalmente àqueles que "finge" excesso de blandícias, transparece apresentar-se qual "Deus". Ou pior. Seja: Estar acima do Deus; ter mais autoridade do que Este. Porquanto todo "Sacerdote" católico vê-se assim: "um deus". E até que são deuses, deuses tipo Belzebu. O deus das esterqueiras. Mas de onde os padres se inspiraram para imaginar Sacerdotes? Será mediante a Lei mosaica? Claro que não. Pois se fora teriam que ser da tribo de Levi, serem circuncidados, teriam que casar-se; obrigatoriamente, etc.etc... Seria segundo o sacerdócio universal dos crentes; como Pedro etc. aventaram? Claro que não, porquanto se fora se casariam também. Ou permaneceria solteiro conforme a escolha de Paulo. Sim! Solteiros e verazmente castos. Não entregues a todo tipo de devassidão, como sói acontecer a padraiada em geral. Enfim, todo padre é um lunático, alguém que persegue na mesma intensidade a mesma loucura de Satanás: Parecer ser "Deus", querer ser "Deus"... Tentar atingir o número Sete. Porem jamais passarão da periódica de número 666... JAMAIS!

    ResponderExcluir
  4. Subsiste um problema no seio cristão: Igrejas tradicionais, igrejas pentecostais e igrejas neo pentecostais. Qual delas verazmente espelham a ortodoxia cristã? Bem, isto depende do olhar que as fixam. Se for o olhar dum tradicionalista, as demais seriam heréticas, se for dum pentecostal, as demais seriam heréticas, se for dum neo pentecostal, as demais seriam heréticas. Ora senhores, em síntese concluímos que sim... Todas contém heresias. TODAS! Necessariamente. Afinal que é a igreja de Jesus senão uma mistura de três medidas de farinha de trigo; puríssima, com um punhado de fermento até ficar tudo levedado?

    ResponderExcluir
  5. O padre Fábio de Melo é uma das Eminências pardas atuais. Infelizmente até alguns crentes "pararam na dele". Imagine que coragem, esse padre é um revolucionário, um novo Lutero. Acontece que Roma sabe usar de paus de dois bicos, até de três, até de quatro ou mais. É ai que entra a figura do herói; do "simpatiquinho" aos crentes. E engolem o sofista de meia tigela com batina e tudo. Ele disse num de seus vídeos: "Quando vou para Belém acompanhar a procissão do sírio de Nazaré, não é Maria que estou seguindo. Mas a criança que ela tem nos seus braços... Que legal! Um bonequinho de gesso ou de pau que não anda, não fala, nem sequer faz cocozinho no colinho da Semirames atual. Ah se fizesse! Quem sabe eu me renderia ao catolixismo romano.

    ResponderExcluir
  6. Sou ex seminarista da ICAR , hoje me considero um "sem religião" flerto com o adventismo movimento de reforma, mais por não ter igreja deles em minha cidade e ser só 6 membros e nos reunirmos em casa.
    A religião cristã na minha modesta opinião esta podre, o Deus Pai e o filho, (sem Trindade, pois a falsa Trindade católica, são os três espíritos imundos que saiu da boca do grande dragao do livro de Apocalipse) é uma tarefa hercúlea buscar o verdadeiro e único Deus, o deus desconhecido dos homens, como pecador e humildade vou caminhando em meio as trevas sonhando um dia ter um verdadeiro encontro com o altíssimo e verdadeiro Pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que a Doutrina Católica Romana procede das trevas.
      Gostaria de comentar sobre suas opiniões:
      1."me considero um "sem religião" flerto com o adventismo movimento de reforma, mais por não ter igreja deles em minha cidade e ser só 6 membros e nos reunirmos em casa".
      Acho um equívoco sua abordagem em relação a Deus. Flertar com o Adventismo do Sétimo dia é um grande perigo. É uma seita criada por uma mulher que tinha visões. Que coloca na guarda do sábado como o selo de Deus. Uma leitura em efésios cap. 1 mostra que isso não é verdade;

      2. "A religião cristã na minha modesta opinião esta podre, o Deus Pai e o filho, (sem Trindade, pois a falsa Trindade católica, são os três espíritos imundos que saiu da boca do grande dragao do livro de Apocalipse) é uma tarefa hercúlea buscar o verdadeiro e único Deus,
      Acho que o termo "religião cristã" é mal utilizado no texto. De outra vez defina o que o amado chama de religião cristã.
      Sobre a Triunidade é completamente absurda a abordagem.
      Não sei onde mora, mas a abordagem dos textos da Palavra de Deus e a forma que está sendo feita levará o amado para longe do Deus Eterno.
      Que o Senhor tenha misericórdia de cada um de voces.

      Excluir

1. Seus comentários e refutações são bem vindos.
2. Por favor, faça-os sempre com base nas Escrituras, caso contrário, são opiniões pessoais, com pouco valor
3. Não modero cometários, seu temor ao Senhor deve sê-lo
As ofensas pessoais podem ser substituídas por refutações, ajudariam a todos que passam por aqui.

Em Cristo.